Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Logon

 

SAC: 0800 -772 3030   |
HTML do menu mobile
Navegar para Cima

Skip Navigation LinksCooperada-da-Unimed-Sorocaba-fala-sobre-gravidez-na-adolescencia

Cooperada da Unimed Sorocaba fala sobre gravidez na adolescência

Desinformação ainda é o maior problema

03/02/2021 17:21 | Última Atualização 03/02/2021 17:21

​Dados oficiais disponíveis indicam que, no Brasil, a taxa de gestação na adolescência é alta, com 400 mil casos/ano. Em 2019, o país instituiu a Semana Nacional de Gravidez na Adolescência, celebrada a partir de 1º de fevereiro, com o objetivo de disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução no número de grávidas nessa fase da vida.   

Diversos fatores promovem a gestação na adolescência. A desinformação sobre sexualidade e direitos sexuais e reprodutivos é o principal motivo. Questões emocionais, psicossociais e contextuais também contribuem, inclusive para a falta de acesso à proteção social e ao sistema de saúde, englobando o uso inadequado de contraceptivos. 
  
A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera como adolescentes quem tem entre 10 e 20 anos de idade, enquanto o Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece a faixa entre 12 e 18 anos. 
  
Segundo a doutora Camila Ruiz, ginecologista, docente da Faculdade de Medicina da PUC-SP e cooperada da Unimed Sorocaba, dados da OMS/OPAS sobre a gravidez entre as adolescentes brasileiras revelam que o ápice aconteceu entre os anos de 1995 e 2000, quando 83,6% delas engravidaram. No período de 2015 a 2020, o índice foi de 68,4%. 
  
São três os principais motivos que levam as jovens a rejeitar o uso de métodos contraceptivos: achar que nunca ficarão gravidas; medo de que os pais descubram que estão utilizando e porque namoram há algum tempo e, por isso, acreditam não ser mais necessário o uso de preservativos. 
  
A doutora Camila explica que existem métodos contraceptivos hormonais e não hormonais. “Os não hormonais são formados por métodos comportamentais, de barreira (preservativos), químicos, amenorreia lactacional, dispositivos intrauterinos e cirúrgicos. Já os hormonais são aplicados por via oral ou não oral. Dentre os métodos de contracepção hormonal reversível, estão a pílula oral, anel vaginal, adesivo anticoncepcional, anticoncepcional injetável, implantes contraceptivos e o DIU com levonorgestrel”, esclarece. 
  
Entretanto, independentemente das causas e desejos de cada adolescente, a gravidez precoce é um problema de saúde pública, uma vez que causa riscos à saúde da mãe e do bebê, além do impacto socioeconômico – afinal grávidas abandonam os estudos e apresentam maior dificuldade para conseguir emprego. 
Outras Notícias

 

 

Unimed Sorocaba realiza aula de pós-graduação em APShttp://portalantigo.unimedfesp.coop.br/unimed-sorocaba-realiza-aula-inaugural-de-pos-graduação-em-atencao-primaria-a-saudeUnimed Sorocaba realiza aula de pós-graduação em APS
TESTE 2http://portalantigo.unimedfesp.coop.br/teste-2TESTE 2
SAC Presencial está de casa novahttp://portalantigo.unimedfesp.coop.br/sac-presencial-esta-de-casa-novaSAC Presencial está de casa nova
Oficinas de MBE iniciam os estudos de 2016http://portalantigo.unimedfesp.coop.br/oficinas-de-mbe-iniciam-os-estudos-de-2016Oficinas de MBE iniciam os estudos de 2016

+ Ver todas as notícias

COPYRIGHT

Copyright © 2019 - Unimedfesp.com.br - Aviso geral de privacidade e proteção de dados Rua José Getúlio, 78/90 - Aclimação - São Paulo - SP - CEP 01509-000 - Tel:(11)2146-2500 

CERTIFICAÇÃO

Unimed Fesp 2016